quinta-feira, maio 23, 2024
InícioDestaque 1“O 1001 dignidades é a maior das muitas fantasias do Bocalom, diz...

“O 1001 dignidades é a maior das muitas fantasias do Bocalom, diz vereador Fábio Araújo, que destaca deselegância do prefeito com o povo

Publicado em

Por Jorge Natal

“E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou. E agora, José? Está sem discurso, está sem carinho”. O trecho do poema de Carlos Drummond de Andrade ilustra o sentimento de solidão e abandono do indivíduo, a sua falta de esperança e a sensação de que está perdido na vida, sem saber que caminho tomar.

É dessa forma que o vereador Fábio Araújo (PDT) analisa o atual momento do prefeito Tião Bocalom. “Isso ficou evidente quando ele chegou num canteiro de obra e não viu ninguém trabalhando”, ilustrou o parlamentar, que ainda foi mais ácido: “sequer o partido dele o quer como candidato”.

“Nesses três anos, defendemos a população e propomos o melhor para a cidade. O Papel do vereador é fiscalizar e cobrar do Executivo”

Quase eleito no primeiro turno nas eleições passadas, quando vendeu a imagem do “Bom Velhinho” e do “Boca Paz e Amor”, o prefeito, segundo pesquisas recentes, amarga uma rejeição que beira os 40%. “Esse desgaste é fruto de erros grosseiros, que poderiam ser evitados, caso ele não fosse tão autossuficiente e autoritário”, destacou Fábio Araújo, para quem Bocalom é um péssimo gestor.

Entres as idiossincrasias do alcaide, destacam-se: sumir durante uma enxurrada do igarapé São Francisco; fazer excessivas e injustificadas viagens; mandar policiais usarem a força contra garis; durante a madrugada, mandou desmontar quiosques; chamou servidores públicos de preguiçosos, comparando-os a gado; por não querer dialogar com o Parlamento, quase sofreu um processo de impeachment; diante de uma greve, saiu pelas portas dos fundos da prefeitura, evadindo-se na contramão pela avenida Getúlio Vargas; chamou os moradores do Benfica de baderneiros, bateu boca com merendeiras; defendeu o golpe militar; e pintou a cidade de azul.

“O nosso mandato é proativo e resolutivo, sim, o que não nos impede de fiscalizar os delírios, os desmandos e as irregularidades do prefeito”

Apesar de tudo isso, o prefeito é candidatíssimo à reeleição. “Só não sei o que ele vai dizer. Além de abandonar o produzir para empregar, recentemente doou os terrenos do programa 1001 dignidades”, afirmou o vereador, lembrando que a entrega das casas era para acontecer em 2022, passou para 2023, depois ficou para maio de 2024 e, no momento, está sem data definida. E agora, prefeito?

O Seringal – Como o senhor avalia o seu mandato?
Fábio Araújo – No tocante à produção, foram requerimentos, indicações, audiências públicas, participação em comissões e projetos de resolução e de lei. Alguns foram atendidos pelo Executivo, outros não. Quanto à ação parlamentar como um todo, temos uma boa representatividade. Fizemos reivindicações, fiscalizações, diálogos e encaminhamentos juntos aos setores da sociedade civil organizada, destacadamente os fazedores de cultura e os trabalhadores rurais. Nesses três anos, defendemos a população e propomos o melhor para a cidade. O papel do vereador é fiscalizar e cobrar do Executivo.

O Seringal – O senhor afirma que o seu mandato é resolutivo, porém fez uma oposição dura ao prefeito Bocalom Por que?
Fábio Araújo – Eu recebo as reivindicações, vou até o problema e levo as demandas para a prefeitura. Infelizmente, a maioria desses pedidos são engavetados. O nosso mandato é proativo e resolutivo, sim, o que não nos impede de fiscalizar os delírios, os desmandos e as irregularidades do prefeito. Quando há indícios de ilegalidade, fazemos representações junto ao Ministério Público, afinal, assim como nós vereadores, o órgão tem o papel de fiscalizar.

O Seringal – A situação dos ramais é uma dessas possíveis irregularidades?
Fábio Araújo – Essa é uma das nossas principais lutas. Desde o início do mandato, venho acompanhando e cobrando. O período das chuvas nem se intensificou e estamos diante do caos. A população rural está desesperada porque, além de isolada, não vai escoar a produção. Houve muitas promessas, mas o que vigora é a irresponsabilidade, a falta de compromisso e a politicagem.

O Seringal – E como se encontram os bairros afastados?
Fábio Araújo – Rio Branco padece por falta d’água, saneamento básico e ruas esburacadas. E não se vê, até agora, nenhuma intervenção da prefeitura. O que se vê é o prefeito querendo fazer elevados e viadutos, trazer ônibus elétricos, fazer paradas de ônibus com vidro blindex e botar para funcionar uma tal de vaca mecânica.

O Seringal – Falando em ideias mirabolantes, comente sobre o 1001 dignidades
Fábio Araújo – Além de não saber distinguir o que são prioridades, esse projeto 1001 dignidades é a maior das muitas fantasias do prefeito, como bem sugere o nome. Ele prometeu essas casas para 2022, passou para 2023, depois ficou para maio deste ano e, no momento, está sem data de entrega definida. Recentemente, ele doou para o Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, os terrenos do programa.

O Seringal – Por que o senhor afirma que o projeto “produzir para empregar” fracassou?
Fábio Araújo – Eu desafio alguém a me apresentar uma saca de arroz fruto desse discurso. Não existem ramais trafegáveis, incentivos e muito menos uma política agrícola. No ano passado, tivemos graves denúncias no acondicionamento e distribuição de calcário e fertilizantes. Alguém conhece uma única agroindústria? Sabe por que isso não existe? Porque não existe produção no nosso município.

Copiar

Últimas Notícias

Receita Federal abre da consulta ao 1º lote da restituição de IR

A Receita Federal liberou às 10h desta 5ª feira (23.mai.2024) a consulta ao 1º...

Federação de X1 e X2: convocatória anuncia eleição e posse de diretores em 21 de junho

O Presidente da Comissão Pró-fundação da Federação Acreana de X1 E X2, convoca a...

Deputados e Secretaria da Mulher ouvem vítimas de assédio que envolve presidente do Iapen

A Secretaria de Comunicação informou que as supostas vítimas de assédio pelo presidente do...

Policiais penais reagem e sindicalista diz que representaria melhor a categoria como presidente do Iapen; Ouça a entrevista

Éden Azevedo, presidente do Sindicato dos Policiais Penais, disse há pouco (ouça acima) que...

Rio Branco terá colapso no abastecimento de água em 10 dias, diz vereador

O vereador Nogueira Lima comunicou que a população de Rio Branco tende a sofrer...

Você não pode copiar o conteúdo desta página