quarta-feira, abril 24, 2024
InícioPolíticaTião Viana e marketeiro Giba escrevem na grande mídia: a República rasa...

Tião Viana e marketeiro Giba escrevem na grande mídia: a República rasa do parlamentarismo orçamentário

Publicado em

A República rasa do parlamentarismo orçamentário Emendas milionárias forjam Legislativo desinteressado no poder de legislar, fiscalizar e debater os problemas nacionais, escrevem Tião Viana e Giba Braga Mello.

O Brasil se ressente com a falta de um projeto de país e de uma agenda conectada à realidade global do século 21, capaz de elevar o debate público, propor soluções inovadoras para os problemas nacionais e produzir esperança no nosso futuro. Diante do apequenamento dos poderes da República e da pachorra da sociedade, difícil saber que coisa puxa a outra. Um Legislativo centrado na liberação de emendas, cria pequenas crises para consolidar essa jabuticaba bem apelidada de “Parlamentarismo Orçamentário”. A imposição de emendas solapa atribuições de eleitos para cargos majoritários e de legítimos ocupantes de funções nos Executivos federal, estaduais e municipais.

Um Legislativo centrado na liberação de emendas, cria pequenas crises para consolidar essa jabuticaba bem apelidada de “Parlamentarismo Orçamentário”. A imposição de emendas solapa atribuições de eleitos para cargos majoritários e de legítimos ocupantes de funções nos Executivos federal, estaduais e municipais.

O dinheiro das emendas milionárias forja Congresso e assembleias desinteressadas no poder de legislar, fiscalizar e debater os problemas nacionais. No seu rastro, vem o Poder Judiciário bailar no vácuo de regulações claramente atribuíveis ao Legislativo e ao Executivo. E assim caminha o establishment, focado em eleições vindouras

Os partidos políticos, ocupados com a partilha dos fundos partidário e eleitoral, estão distantes da sociedade, desconectados da juventude e alheios à premência de temas substantivos como: agenda climática; educação; saúde; relações de trabalho frente à automação em escala; crise na segurança pública; narcotráfico criando territórios do crime em cidades grandes, médias e até pequenas, notadamente na Amazônia. À desorientação dos Poderes e instituições da República se associam às manifestações de intolerância e ódio nos espaços de convivência. A gestão despótica de 2019 a 2022, se não consumou o plano de restauração da ditatura civil-militar, comprometeu avanços civilizatórios duramente obtidos no exercício da democracia.

Fake news conseguiram pôr sombras sobre os bons momentos de expansão econômica conduzidos pelo presidente Lula em seus 2 primeiros mandatos, com pleno emprego e expressivos avanços sociais.

O presidente Lula é imprescindível para assegurar a democracia, reanimar a economia e retomar avanços sociais. Também é justo colocar que, em 500 anos de história, é sob Lula e Dilma que se dá o único espaço de governo voltado de verdade para os brasileiros mais pobres, ressalvando-se a golpeada Presidência de João Goulart e momentos de Getúlio Vargas. Mas para recuperar os profundos estragos da carga da extrema direita, é fundamental que espaços estratégicos do governo provoquem o pensamento crítico.

No entanto, os ministérios não atuam para acender uma chama inovadora nas universidades nem levantar na sociedade o debate de um projeto de país. Vale lembrar Luís Gushiken, no 1º mandato de Lula, articulando um núcleo de pensamento governamental para uma agenda nacional 20 anos à frente. Novas lideranças precisam ter a coragem de entrar em cena. Tem sido recorrente a lembrança do sempre admirável Gramsci, em seu “Cadernos do Cárcere”:

A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno aparecem uma grande variedade de sintomas mórbidos”. Uma democracia se fortalece com instituições fortes e perenes. Criado em 1824 pela Constituição Imperial, o Senado é um honroso exemplo que completa 200 anos de funcionamento. Que sua longevidade seja alerta para o apequenamento dos poderes da República, a lembrar o saudoso senador e vice-presidente da República José Alencar, bradando da Tribuna que “o Senado é uma Casa com a extensão de um oceano, mas com um palmo de profundidade.

Poder 360

Copiar

Últimas Notícias

Vídeo do deboche em Paris: operação contra jogos de azar apreende bens e bloqueia contas de mais 4 influencer´s do Acre

A influencer acreana Gleyna Natasha Silva debochou, debochou....até que foi acordada pela polícia, na...

Serviço Social do Hospital do Idoso proporciona reencontro de paciente separado da família há 30 anos

Morador de Acrelândia, interior do Acre, Gilberto Lima, de 76 anos, reencontrou a família,...

Deputada bolsonarista mandou e hacker executou invasão ao sistema do CNJ, diz PGR

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, denunciou a deputada federal Carla Zambeli (PL-SP) e...

Candidato a pai aos 60 anos, senador Márcio Bittar brinda reencontro com filho psicólogo após 3 décadas

Impossível negar a semelhança entre Pedro Márcio Almeida Bittar e o pai, o senador...

Moraes dá cinco dias para o X explicar lives de contas bloqueadas pela Justiça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o X (antigo...

Você não pode copiar o conteúdo desta página