quarta-feira, abril 24, 2024
InícioDESTAQUEO Acre entre os 6 estados em emergência de Dengue: Governador amplia...

O Acre entre os 6 estados em emergência de Dengue: Governador amplia público alvo de vacinação

Publicado em

O Acre entrou na lista de seis estados mais o Distrito Federal que declararam já declararam emergência em saúde pública por causa da dengue, segundo informou o Ministério da Saúde nesta terça-feira (27). Os demais são GO, MG, ES, RJ e SC.

O governador Gladson Cameli (PP) ampliou nesta segunda-feira, 26, o público para o programa de vacinação contra a dengue. Destinado, inicialmente, a crianças de 10 a 11 anos, a campanha agora se estende para adolescentes até 14 anos, 11 meses e 29 dias de idade nos municípios do Baixo Acre. Esta faixa etária foi identificada como a mais susceptível a hospitalizações decorrentes da doença, dentro do grupo de 6 a 16 anos, informou a a Secretaria de Comunicação.

Veja abaixo a publicação do G1 sobre a emergência no país:

Para conter o avanço da doença, o MS também divulgou que irá implementar um “Dia D” de mobilização nacional contra a dengue, no próximo sábado, dia 2 de março, com o tema ‘10 minutos contra a dengue’.

“[Será] um momento de atenção do país, de atenção das autoridades sanitárias, do Ministério da Saúde, de um monitoramento muito próximo ao que está acontecendo nas diferentes regiões, estados e municípios”, disse a ministra da Saúde, Nísia Trindade, numa coletiva de imprensa em Brasília.

 

No começo do mês, o governo anunciou que ampliou para R$ 1,5 bilhão os recursos reservados para apoiar estados, municípios e o Distrito Federal no enfrentamento de emergências, como a alta de casos de dengue no país. Em 2023, a pasta havia reservado somente R$ 256 milhões para esse fim.

Além disso, a pasta também disse que está otimizando a entrega de verbas para estados e cidades que declararem emergência devido à dengue, outras doenças transmitidas por mosquitos ou situações que afetem a saúde pública.

E nesta terça foi aprovado o primeiro pagamento, no valor total de R$23,4 milhões, destinado a municípios de Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e o Distrito Federal.

Em todo país, já são mais de 973 mil casos prováveis e confirmados nas primeiras oito semanas de 2024. No mesmo período do ano passado, o país contabilizava 207.475 casos. E em todo o ano de 2023, foram 1.658.816 registros.

Até o momento, 195 mortes foram confirmadas neste ano e 672 seguem em investigação. Em 2023, foram 149 óbitos entre as semanas 01 e 08.

“A curva está tendo uma inclinação muito positiva desde o início do ano, e isso é ruim. O gráfico deveria subir mais lentamente, e não é isso que estamos vendo. A expectativa é que a gente bata todos os recordes de dengue em 2024, já que a largada começou com alta velocidade”, disse Kleber Luz, infectologista e consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS) e Opas para a elaboração de diretrizes estratégicas para prevenção e controle das arboviroses, em entrevista recente ao g1.

O que devemos fazer

A dengue só acontece se houver a presença do mosquito Aedes aegypti. Essa é, praticamente, a única forma de transmissão da doença que causa repercussão na sociedade. Para evitar, então, não há muito segredo: precisamos acabar com os criadouros do mosquito. E o combate depende de todos, seja a sociedade em geral, governo e profissionais de saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 75% dos criadouros do mosquito transmissor estão nos domicílios, como em vasos e pratos de plantas, garrafas retornáveis, pingadeira, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros em geral e materiais em depósitos de construção (sanitários estocados, canos e outros). Esses criadouros permitem a proliferação da fêmea do mosquito Aedes aegypti (transmissora da dengue).

“O controle é vetorial, precisamos combater o mosquito. A população precisa ser educada, entender que a dengue é uma doença grave e devemos controlar o criadouro. Já os gestores precisam disponibilizar larvicidas, fumacê, distribuição de inseticidas”, diz Kleber Luz.

O infectologista e consultor da OMS lembra que a dengue mata pessoas absolutamente saudáveis e de qualquer idade. Por isso, ao apresentar os primeiros sintomas, a pessoa deve procurar uma unidade de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, visto que a infecção pode evoluir rápido e o óbito pode vir no terceiro ou quarto dia.

Copiar

Últimas Notícias

Vídeo do deboche em Paris: operação contra jogos de azar apreende bens e bloqueia contas de mais 4 influencer´s do Acre

A influencer acreana Gleyna Natasha Silva debochou, debochou....até que foi acordada pela polícia, na...

Serviço Social do Hospital do Idoso proporciona reencontro de paciente separado da família há 30 anos

Morador de Acrelândia, interior do Acre, Gilberto Lima, de 76 anos, reencontrou a família,...

Deputada bolsonarista mandou e hacker executou invasão ao sistema do CNJ, diz PGR

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, denunciou a deputada federal Carla Zambeli (PL-SP) e...

Candidato a pai aos 60 anos, senador Márcio Bittar brinda reencontro com filho psicólogo após 3 décadas

Impossível negar a semelhança entre Pedro Márcio Almeida Bittar e o pai, o senador...

Moraes dá cinco dias para o X explicar lives de contas bloqueadas pela Justiça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o X (antigo...

Você não pode copiar o conteúdo desta página