quarta-feira, abril 24, 2024
InícioPolíciaO maldito Zap-zap: ele matou a mulher, em Tarauacá, e está condenado...

O maldito Zap-zap: ele matou a mulher, em Tarauacá, e está condenado a 24 anos de prisão

Publicado em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça Criminal de Tarauacá, obteve a condenação de Rosélio de Carvalho Rêgo a 24 anos e 10 meses de reclusão em regime fechado, pelo crime de feminicídio contra a sua ex-companheira, Maria Marciléia Pessoa Alves. O crime ocorreu no dia 17 de dezembro de 2021, na residência da vítima, e o réu foi julgado no último dia 7 de março, véspera do Dia Internacional da Mulher.

Conforme a denúncia do MPAC, o réu havia retornado à casa após vários dias em uma colônia e encontrou no local a vítima, o filho do casal e uma vizinha. Motivado por ciúmes após ver um contato no celular da vítima, Rosélio iniciou uma discussão com Marciléia, quebrou o celular dela e desferiu um soco contra a companheira na frente de todos.

Após a agressão, a vítima afirmou que iria renovar as medidas protetivas de urgência que havia obtido seis meses antes ao se sentir ameaçada, quando estava separada e o réu havia invadido a sua casa arrombando a porta. Inconformado com a decisão da vítima, o réu foi até a frente da casa, pegou um terçado e se dirigiu ao quarto onde estava Marciléia.

Lá, desferiu golpes contra ela, causando sua morte e, em seguida, fugiu do local. O crime foi presenciado pelo filho do casal, de apenas 11 anos na época, que estava na sala e ouviu os pedidos de socorro.

Responsável pela acusação no Júri, o promotor de Justiça Substituto Washington Guedes Pequeno sustentou a tipificação do crime com as qualificadoras de motivo torpe, feminicídio e presença de menor. O membro também destacou aos jurados que a vítima foi morta com base em uma suposição e que o crime se configurou como feminicídio.

Durante os debates orais, a defesa alegou que o filho do casal não estaria presente no momento da execução pelo fato de estar em outro cômodo da casa. O promotor rebateu a tese, destacando que, em depoimento, o menor chegou a informar as últimas palavras da mãe e narrou a agressividade do pai e o medo que teve ao jogar o terçado por debaixo da casa após vê-lo empreender fuga.

Com isso, os jurados acolheram a tese do Ministério Público e fizeram incidir a causa de aumento de metade da pena, por ter sido o crime praticado na presença física de descendente. Diante das provas e do reconhecimento das qualificadoras, o Júri condenou o réu à uma pena de 24 anos e 10 meses de reclusão em regime fechado. O juiz também negou ao réu o direito de recorrer em liberdade.

Copiar

Últimas Notícias

Testemunha diz que servidores da prefeitura “levaram” as peças mais valiosas dos 10 tratores agrícolas abandonados na Sobral

A caixa satélite da planetária de todos os tratores agrícolas que se encontram abandonados...

PF faz buscas na casa de suspeito por pedofilia, em Rio Branco

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (24/4), a Operação Videochamada, que visa combater a...

A frota fuleira do Bocalom: mais um pneu cai e causa gritaria em ônibus, nesta 4ª

O pneu de um ônibus que faz a linha do Calafate desprendeu do eixo...

Vídeo do deboche em Paris: operação contra jogos de azar apreende bens e bloqueia contas de mais 4 influencer´s do Acre

A influencer acreana Gleyna Natasha Silva debochou, debochou....até que foi acordada pela polícia, na...

Serviço Social do Hospital do Idoso proporciona reencontro de paciente separado da família há 30 anos

Morador de Acrelândia, interior do Acre, Gilberto Lima, de 76 anos, reencontrou a família,...

Você não pode copiar o conteúdo desta página