quinta-feira, maio 23, 2024
InícioPolíciaCZS: após indiciamentos, prefeito mantém no cargo secretário de Educação e a...

CZS: após indiciamentos, prefeito mantém no cargo secretário de Educação e a professora que obrigou criança a comer massa de modelar

Publicado em

Familiares de uma criança que estuda em escola infantil Maria de Nazaré Lima, mantida pela Prefeitura de Cruzeiro do Sul, buscam ajuda da imprensa para um caso que, segundo eles, está sendo mantido em sigilo pelas autoridades locais.

A polícia indiciou o secretário de Educação, Edvaldo Gomes, uma professora, o diretor da escola e outros dois servidores, acusados de encobrirem a agressão contra o aluno.

Imagens gravadas por uma cuidadora mostram o momento e que a professora puxa a criança pela orelha e a obriga a ingerir massinha de modelar. O vídeo, em poder dos investigadores, chegou primeiramente à mãe da criança, que procurou a polícia.

O indiciamento, no último dia 25, demorou mais de um ano desde que a agressão ocorreu dentro da escola.

O secretário permanece no cargo. O diretor da escola e a professora, também.

“Precisamos de respostas. Isso é grave demais. O prefeito não age como deveria. Esses funcionários foram afastados de suas funções? Não serão?”, protesta um familiar que pediu anonimato por temer retaliações.

O delegado Renan Santana disse ao Portal Yaco News, logo após os indiciamentos, que sete servidores da educação municipal em Cruzeiro do Sul já foram indiciados nos últimos meses pela Lei Henry Borel, que exige a comunicação de situações graves às autoridades competentes.

A direção da escola, coordenadores e o secretário de educação optaram por encobrir o caso para evitar danos à imagem da escola e à gestão municipal.

O prefeito Zequinha Lima (PP), candidato à reeleição, não teria conhecimento da agressão até a semana passada, mas não afastou os acusados, passando a ser alvo de críticas pela comunidade.

É crime não comunicar o ocorrido às autoridades competentes e não abrir investigação disciplinar, na âmbito da administração da escola.

“O alerta é para que todos os responsáveis legais, incluindo profissionais da educação, cumpram essa obrigação após tomarem conhecimento de crimes ou situações graves envolvendo crianças”, disse o delegado.

A Lei Henry Borel, em vigor desde 2022 após um caso emblemático no Rio de Janeiro, visa proteger crianças e adolescentes e exige a comunicação imediata de situações de violência ou abuso às autoridades competentes, garantindo a responsabilização de quem deixa de agir nesses casos.

Por envolver menores, as identidades dos demais investigados não foi revelada.

O prefeito não foi localizado.

 

Copiar

Últimas Notícias

Receita Federal abre da consulta ao 1º lote da restituição de IR

A Receita Federal liberou às 10h desta 5ª feira (23.mai.2024) a consulta ao 1º...

Federação de X1 e X2: convocatória anuncia eleição e posse de diretores em 21 de junho

O Presidente da Comissão Pró-fundação da Federação Acreana de X1 E X2, convoca a...

Deputados e Secretaria da Mulher ouvem vítimas de assédio que envolve presidente do Iapen

A Secretaria de Comunicação informou que as supostas vítimas de assédio pelo presidente do...

Policiais penais reagem e sindicalista diz que representaria melhor a categoria como presidente do Iapen; Ouça a entrevista

Éden Azevedo, presidente do Sindicato dos Policiais Penais, disse há pouco (ouça acima) que...

Rio Branco terá colapso no abastecimento de água em 10 dias, diz vereador

O vereador Nogueira Lima comunicou que a população de Rio Branco tende a sofrer...

Você não pode copiar o conteúdo desta página