terça-feira, maio 28, 2024
InícioDestaque 1Deputada bolsonarista mandou e hacker executou invasão ao sistema do CNJ, diz...

Deputada bolsonarista mandou e hacker executou invasão ao sistema do CNJ, diz PGR

Publicado em

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, denunciou a deputada federal Carla Zambeli (PL-SP) e o hacker Walter Delgatti Neto no âmbito da investigação da invasão do sistema do Conselho Nacional de Justiça.

Zambelli foi denunciada como mandante do crime.

“Zambelli comandou a invasão a sistemas institucionais utilizados pelo Poder Judiciário, mediante planejamento, arregimentação e comando de pessoa com aptidão técnica e meios necessários ao cumprimento de tal mister, com o fim de adulterar informações, sem autorização expressa ou tácita de quem de direito”, diz o texto da denúncia.

 

O texto também afirma que Zambelli e Delgatti “buscavam obter vantagem de ordem midiática e política, que adviria do projeto de desmoralização do sistema de Justiça“.

Procurada, a assessoria de imprensa da deputada e a defesa de Delgatti ainda não se manifestaram sobre a denúncia.

A invasão do site do CNJ, segundo investigação da Polícia Federal, aconteceu em novembro de 2022. Em 4 de janeiro de 2023, Delgatti inseriu documentos falsos no sistema do órgão, como um mandado de prisão contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), assinado pelo próprio magistrado.

O hacker disse à PF que Zambelli redigiu o falso mandado, o que ela nega. Delgatti também colocou no sistema uma falsa quebra de sigilo das contas bancárias do ministro.

Delgatti está preso desde agosto por causa da investigação do hackeamento do CNJ. Em depoimento à PF, ele confessou o crime e relatou a participação da deputada federal.

Indiciamento pela Polícia Federal

No final de fevereiro deste ano, a PF concluiu o inquérito sobre a invasão e indiciou o hacker e a deputada por suspeita de terem cometido diversas vezes os crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica.

A minuta da falsa ordem de prisão contra Moraes foi publicada na imprensa na noite de 4 de janeiro, três horas após Zambelli recebê-la do hacker. A divulgação na imprensa alertou o CNJ sobre o hackeamento e motivou a investigação da PF.

Para a polícia, foi Zambelli que, após instigar o hacker a cometer a invasão do CNJ, divulgou o documento a jornalistas com o objetivo de difundir suspeitas sobre a credibilidade do Judiciário.

Na ocasião, apoiadores de Jair Bolsonaro usaram o episódio para questionar nas redes sociais a lisura do processo eleitoral conduzido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que é presidido por Moraes. A divulgação da invasão do CNJ ocorreu às vésperas dos atos golpistas do 8 de janeiro, quando militantes extremistas acampavam em frente aos quartéis do Exército.

Copiar

Últimas Notícias

Vídeo mostra momento em que homem invade residência para matar mulher e amigo dela, em Porto Velho

Câmeras de monitoramento registraram as tentativas de um homem de 29 anos em invadir a...

Vídeo: o aparato de guerra na chegada de “Luizinho do CV” ao Acre; Ministro boliviano liderou prisão

Luiz Gomes da Silva, o Luizinho do CV, foi deportado pelas autoridades bolivianas no...

X1 e X2: eleição e posse de diretoria é confirmada para 21 de abril

O Presidente da Comissão Pró-fundação da Federação Acreana de X1 E X2, convoca a...

Cantor Hangell Borges é preso na madrugada em boate, em Rio Branco

O cantor sertanejo Hangell Borges foi preso na madrugada deste sábado, 25, na boate...

Acre inicia campanha de vacinação contra paralisia infantil na próxima segunda-feira, 27

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), lançará...

Você não pode copiar o conteúdo desta página